A cannabis precisa mesmo ser prescrita?

A cannabis precisa mesmo ser prescrita?

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

Depois do caso sobre a falsa médica que estava prescrevendo cannabis sem registro, a questão ficou: É necessário ter receita médica para começar um tratamento?

A cannabis precisa mesmo ser prescrita?

Nos últimos dias, a notícia de que uma falsa médica estava atendendo pacientes com o registro de outra profissional, circulou pelo país todo e foi destaque na maioria dos jornais. Marcela de Castro Gouveia foi presa na última semana (30), mas foi solta após pagar fiança.

A farsa foi descoberta depois que a verdadeira médica, que possui o mesmo nome, foi avisada sobre o que estava acontecendo e planejou um flagra. Não demorou muito para que a polícia prendesse a mulher por falsidade ideológica. 

No momento do flagrante, Marcela Gouveia estava prescrevendo cannabis medicinal para tratar as dores de uma hérnia de disco. 

Perigoso ou não?

A receita não seria uma problema, caso a cannabis medicinal fosse prescrita por um profissional devidamente habilitado. Contudo, o produto foi indicado por alguém sem conhecimento suficiente para entender se aquele era de fato o melhor tratamento.

Apesar da cannabis ser uma medicina mais natural, ela também possui efeitos colaterais e pode gerar interações com outros medicamentos. De acordo com o diretor médico da Cannect, Rafael Pessoa, o uso de doses erradas e formulação também são um risco.

Por isso, separamos algumas dicas para não ser enganado na hora de começar um tratamento com a cannabis:

Cannabis, só com receita

De acordo com a legislação brasileira, todos os produtos feitos com a planta, sejam nacionais, importados ou de associações, só podem ser comprados mediante a uma receita médica.

No caso dos produtos das farmácias, a receita ainda precisa ser de controle especial, ou seja, da cor azul (para produtos com menos de 0,3% de THC) ou amarela (produtos com mais de 0,3% de THC).

Para a importação, ainda será necessário uma autorização prévia da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). 

Na dúvida, cheque

A cannabis é cada vez mais usada para uma série de condições sérias, como epilepsias de difícil controle, Parkinson, Alzheimer e até fibromialgia. Por isso, procurar um profissional legalmente habilitado pode ser fundamental.

Segundo o diretor médico da Cannect, para ouvir um profissional que saiba prescrever cannabis, é importante que o paciente encontre o currículo desse médico, saiba onde ele se formou, qual o seu histórico.

“Se possível, entrar nas páginas dos conselhos de medicina e de odontologia e pedir a lista de médicos e profissionais que tenham um registro ativo com eles”, ressalta. 

Consulte um profissional

É importante ressaltar que qualquer produto feito com a cannabis precisa ser prescrito por um profissional de saúde habilitado, que poderá te orientar de forma específica e indicar qual o melhor tratamento para a sua condição.

Caso precise de ajuda, disponibilizamos um atendimento especializado que poderá esclarecer todas as suas dúvidas, além de auxiliar na marcação de uma consulta, dar suporte na compra do produto até no acompanhamento do tratamento. Clique aqui.

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas