Agência Europeia pode estabelecer uso de flores de cannabis

Agência Europeia pode estabelecer uso de flores de cannabis

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

O Comitê de Produtos Medicinais à Base de Plantas (HMPC) da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), uma espécie de Anvisa da Europa, está convidando a indústria, profissionais da saúde, pacientes e instituições governamentais dos estados membros da União Europeia (UE), a apresentarem dados científicos sobre o uso medicinal da flor de cannabis.

A EMA é responsável pela regulamentação e monitoramento de medicamentos farmacêuticos na UE e no Espaço Econômico Europeu (EEE).

Em um pedido de submissão, a agência reguladora disse que a pesquisa seria usada para ajudar o Comitê de Produtos Medicinais à Base de Plantas a ‘avaliar o uso medicinal’ da planta e criar monografias de ervas para uso por membros da UE.

Requisitos

As monografias fitoterápicas da UE fornecem informações necessárias para o uso de um medicamento contendo uma substância ou preparação à base de plantas específica, incluindo para que o produto é usado e informações de segurança, como efeitos colaterais e interações com outros medicamentos.

O comitê está procurando apenas documentos relacionados à cannabis em sua totalidade e ‘preparações à base de ervas’, não incluindo isolados ou quaisquer outros produtos derivados da cannabis.

Um passo importante para os pacientes

O pedido de pesquisa é descrito como um ‘grande passo’ pelos defensores dos pacientes e um sinal de que os reguladores estão finalmente reconhecendo o valor medicinal da flor de cannabis.

Carola Pérez, presidente da organização sem fins lucrativos Observatório Espanhol da Cannabis Medicinal e presidente do Conselho de Pacientes da Associação Internacional de Medicamentos Canabinoides disse à Cannabis Health que a mudança pode ter ramificações importantes para pacientes em toda a Europa.

“Acho que este é um grande passo”, disse a Sra. Pérez. “O fato da EMA estar fazendo essa mudança será muito importante para os pacientes, porque (espero que isso signifique) a flor será considerada como tendo um papel a desempenhar no potencial medicinal da cannabis”.

Será que agora vai?

As autoridades espanholas votaram pela legalização da cannabis medicinal para um número limitado de condições em junho de 2022, mas as propostas preliminares não mencionavam se isso incluiria flores de cannabis ou apenas óleos.

Pérez, destacou que muitos pacientes contam com os efeitos de ação rápida da flor vaporizada para sintomas como dor crônica.

“Como pacientes, não precisamos apenas de acesso a óleos, precisamos de acesso a flores para poder vaporizar, especialmente para aqueles que vivem com condições como dor crônica”, disse Pérez, que espera que o estabelecimento de orientações da Agência Europeia de Medicamentos possam ter influência para os regulamentos relacionados à flor de cannabis nos países da UE.

“De acordo com as propostas para cannabis medicinal na Espanha, fomos informados de que a flor não será reconhecida (como tendo propriedades medicinais), portanto, esse movimento da EMA é um passo muito bom para nós.

Sobre as nossas colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas