Brittney Griner fala sobre a prisão na Rússia

Brittney Griner fala sobre a prisão na Rússia

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

Após dois anos, a jogadora de basquete contou como foi a sua experiência durante seis meses em uma prisão na Rússia após ser detida com cannabis medicinal   

Brittney Griner fala sobre a prisão na Rússia 'Senti vontade de acabar com tudo'
Brittney Griner fala sobre a prisão na Rússia ‘Senti vontade de acabar com tudo’
Foto: Dmitri Serebryakov/AP
Em dezembro de 2022, a estrela do basquete norte-americano, Brittney Griner,33, ficou presa na Rússia por causa da cannabis medicinal. A jogadora só foi libertada seis meses depois, após uma troca de prisioneiros.
Ao canal estadunidense ABC News, ela compartilhou sua história pela primeira vez e falou sobre a aflição que experimentou durante os meses de confinamento. “Eu estava com tanto medo, porque era tudo desconhecido”, disse.

Griner, duas vezes medalhista de ouro olímpica, foi detida em 17 de fevereiro de 2022, no Aeroporto Internacional Sheremetyevo, em Khimki, após ser acusada de ter vaporizadores e óleo de cannabis, que é ilegal no país. Griner estava retornando à Rússia para jogar durante o período de entressafra da WNBA.

“Minha vida acabou aqui”, disse Griner quando questionada por Roberts o que ela estava pensando quando percebeu que havia deixado os produtos em sua bagagem.

A pivô utilizava o óleo vaporizado de cannabis prescrito por um médico para tratar a dor.

Mobilização

Griner confessou ser culpada das acusações de porte ilegal de drogas em 7 de julho de 2022, depois que disse que os vaporizadores de cannabis estavam em sua bagagem sem que ela se lembrasse. A jogadora testemunhou que “não tinha intenção” de infringir a lei russa e empacotou os produtos por acidente.

Os EUA classificaram o caso de Griner como “detido injustamente” em maio de 2022 e trabalharam durante meses para garantir a sua liberdade.

Durante a detenção, os principais atletas da WNBA e da NBA apoiaram Griner dentro e fora da quadra, aumentando a conscientização sobre seu caso por meio de declarações públicas, pressionando a Casa Branca de Biden para garantir sua libertação.

Experiência traumática

Ainda assim, Griner foi condenada a nove anos de prisão. Seus advogados entraram com recurso, mas um juiz rejeitou-o em 25 de outubro de 2022.

Após a sentença, Griner foi transferida para uma penitenciária na região russa da Mordóvia.

“O colchão tinha uma enorme mancha de sangue. Eu não tinha sabonete nem papel higiênico. Esse foi o momento em que me senti menos que um humano”, disse Griner enquanto refletia sobre seu tempo na prisão.

Griner ainda disse em sua entrevista ao canal que houve momentos em que ela pensou em acabar com sua vida.

“Eu simplesmente não achei que conseguiria superar o que precisava”, disse ela.

Novo livro

A jogadora finalmente foi libertado em 8 de dezembro de 2022, em uma troca de prisioneiros . Os EUA concordaram em trocar Griner pelo traficante de armas russo condenado, Viktor Bout.

Desde a sua libertação, Griner tornou-se uma defensora aberta de outros americanos detidos injustamente, incluindo Paul Whelan e Evan Gershkovich, que estão presos na Rússia.

Griner quebrou o silêncio após sua libertação em uma postagem sincera no Instagram em 16 de dezembro de 2022, onde ela agradeceu àqueles que defenderam sua libertação, incluindo sua esposa Cherelle Griner e sua família WNBA.

A jogadora ainda anunciou ao “Good Morning América” que deve lançar um novo livro de memórias em 7 de maio, intitulado “Coming Home” (Voltando para Casa, em tradução livre). Livro que vai detalhar seu angustiante encarceramento na Rússia.

“‘Coming Home’ começa em uma terra onde minhas raízes se desenvolveram e é o diário de minhas dores e arrependimentos”, disse Griner em comunicado. “Mas, em última análise, o livro é também uma história de como a minha família, a minha fé e o apoio de milhões que se mobilizaram para o meu resgate me ajudaram a suportar um pesadelo.”

Legislação brasileira

No Brasil, a cannabis é aprovada apenas para fins medicinais e só pode ser comprada com receita. Atualmente, ela pode ser adquirida através de importações, nas farmácias e até por associações de pacientes. 

Caso precise de ajuda, disponibilizamos um atendimento especializado que poderá esclarecer todas as suas dúvidas, além de auxiliar desde a achar um prescritor até o processo de importação do produto através da nossa parceira Cannect. Clique aqui.

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas