Agricultora afirma que cannabis “cultivada com amor” tem qualidade superior

Agricultora afirma que cannabis “cultivada com amor” tem qualidade superior

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

Cultivadora norte-americana aposta em física quântica para explicar que a sua própria “frequência vibracional” pode afetar a qualidade de suas plantas

Foto: Freepik

Com informações da High Times

Desde os anos 1970, o livro “The Secret Life of Plants” (A Vida Secreta das Plantas) divide opiniões sobre um assunto no mínimo peculiar: a comunicação das plantas.

Este livro discute várias teorias sobre a comunicação e a consciência das plantas, incluindo a ideia de que as plantas podem se comunicar através de vibrações.

São estas mesmas teorias que fundamentam as ideias de Allie Adams, uma cultivadora experiente e colunista da High Times, renomado portal de cultura canábica.

“Sempre senti em meus ossos que as plantas cultivadas com amor eram superiores às suas contrapartes cultivadas como culturas em linha apenas para obter lucro, mas não consegui quantificar o “porquê” de uma forma significativa. Até agora”, diz a agricultora.

“Não é pseudo-ciência, é física quântica”

Allie Adams respalda seu argumento no conceito básico da lei da vibração, ou seja, de que tudo no universo está em constante movimento e a velocidade desse movimento pode ser medida em frequências vibracionais. 

Estas frequências vibracionais são registradas em “assinaturas de onda”, conforme ilustrado no Mapa da Consciência de Hawkins. Emoções como alegria, paz, amor incondicional e aceitação são consideradas altas frequências vibracionais, enquanto emoções como medo, desespero, ciúme e raiva vibram em uma frequência muito mais baixa. 

Allie acredita que, como seres sencientes, ou seja, que podem escolher e alterar os pensamentos e as emoções, as pessoas podem alterar conscientemente frequência vibracional para subir ou descer, podendo assim comunicar-se melhor com as plantas. 

“Embora o cultivo ao sol ou a profundidade leve sejam sempre preferidos – eu só quero flores que foram cuidadas, tocadas e protegidas da tempestade. Simplesmente me faz sentir melhor – mais em sintonia comigo mesmo, com a natureza, com a divindade do universo”, diz a agricultora.

A vibração do agricultor afeta a vibração da planta?

Segundo a Escala de Hawkins, consultada por Allie, suas plantas são hiper-suscetíveis às ondas sonoras entre 250-1000 Hz, o que demonstrou aumentar o rendimento, a robustez e a tolerância das plantas ao estresse hídrico. 

Curiosamente, estas frequências vibracionais correspondem à metade superior da Escala de Hawkins, onde as frequências vibracionais emocionais variam de 250 Hertz, o que indica neutralidade e razão, até a iluminação espiritual, ou seja, mais de 700 Hertz 

“Se estiver cientificamente comprovado que as plantas podem captar e responder às nossas vibrações, e se o cultivador sentir amor (500hz) pelas suas plantas e alegria (540hz) em cuidar delas, logicamente, as plantas não responderiam positivamente a essas frequências?”, argumenta.

Seguindo o mesmo preceito, Allie Adams acredita que a frequência da planta pode afetar a frequência da pessoa que a consome:

“Se o seu consumo é para escapar da vida e jogar videogame ou ficar no celular sem controle, então você já está operando em uma frequência baixa, mas se você tem a intenção de expandir sua consciência e buscar atividades vibracionais elevadas, como comunhão com a natureza ou explorando suas paixões criativas, então pode alterar a experiência de uma forma positiva, assim como uma planta de baixa vibração pode diminuir a experiência de uma forma negativa.”

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas