Hong Kong classifica o CBD como uma ‘droga perigosa’ ao lado da heroína

Hong Kong classifica o CBD como uma ‘droga perigosa’ ao lado da heroína

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

Foto: Lam Yik/Bloomberg/Getty Images

Texto traduzido do CNN Business

Dois anos atrás, o Canabidiol estava crescendo em Hong Kong. O composto, conhecido como CBD, estava sendo vendido em cafés, restaurantes e lojas, com empresas ansiosas para ingressar em um novo mercado empolgante já bem estabelecido em países ao redor do mundo.

Porém, isso tudo acabou na quarta-feira (25), quando o CBD foi criminalizado na cidade e declarado uma “droga perigosa” no mesmo nível da heroína e do fentanil.

O CBD é um produto químico encontrado nas plantas de cannabis. Não é psicoativo, o que significa que não o deixará chapado; em vez disso, o CBD costuma ser comercializado para tudo, desde ajudar a aliviar a dor e a inflamação até reduzir o estresse e a ansiedade.

O uso do canabidiol cresceu em popularidade global nos últimos anos, com marcas adicionando-o a shampoos, bebidas, óleos corporais, ursinhos de goma e guloseimas para cães.

Nos Estados Unidos e na Europa, você pode encontrá-lo à venda em cafeterias, mercados de agricultores, lojas de departamento familiares e sofisticadas.

Mudança na lei

Mas em junho passado, um projeto de lei que proíbe o CBD foi apresentado aos legisladores de Hong Kong e entrou em vigor em 1º de fevereiro.

De acordo com a nova legislação, a posse e consumo de qualquer quantidade de canabidiol é punível com sete anos de prisão e multa de 1 milhão de dólares de Hong Kong (R$649 mil). Fabricar, importar ou exportar CBD é punível com prisão perpétua.

Mesmo os viajantes podem enfrentar penalidades, com o governo alertando as pessoas para não arriscarem “comprar esses produtos ou trazê-los de volta para Hong Kong”.

As mesmas penalidades e condições se aplicam também a maconha.

Leia também: Projeto é apresentado ao Congresso Espanhol para a regulamentação do uso industrial da cannabis

A proibição forçou o fechamento de empresas focadas em canabidiol, enquanto outras marcas tiveram que reverter ou se livrar dos produtos CBD.

“É uma pena porque com certeza há uma oportunidade perdida”, disse Luke Yardley, fundador da Yardley Brothers Craft Brewery, que já havia vendido quatro produtos contendo CBD – uma lager e três bebidas não alcoólicas. “Acho que qualquer coisa que não deixe você se embriagar e ajude a relaxar é provavelmente uma coisa boa.”

O debate sobre saúde

Os benefícios para a saúde e os riscos do CBD são debatidos há muito tempo . Nos EUA, a maioria dos produtos de cannabis não são regulamentados pela FDA (Food and Drug Administration), o que significa que as pessoas podem comprar itens nas prateleiras.

Algumas pesquisas descobriram que o composto pode aliviar a dor e pode ser útil para quem tem problemas para dormir . A FDA aprovou um medicamento com CBD para tratar formas raras e graves de epilepsia.

Mas também surgiram preocupações, com alguns especialistas dizendo que não há pesquisas científicas suficientes sobre como o canabidiol funciona ou seus efeitos potenciais.

Em janeiro, a FDA anunciou que os produtos CBD exigirão uma nova via regulatória nos EUA, dizendo: “Não encontramos evidências adequadas para determinar quanto canabidiol pode ser consumido e por quanto tempo antes de causar danos”.

Tem THC?

Em Hong Kong, que tem leis rígidas sobre a maconha, a preocupação do governo gira em torno da possível presença do composto irmão ao CBD, o THC (tetrahidrocanabinol) em produtos de CBD. O composto também é encontrado nas plantas de cannabis e é responsável pela “alta”.

Nos EUA e na Europa, os produtos CBD podem conter até 0,3% – uma quantidade residual – de THC, mas mesmo isso não é aceitável em Hong Kong.

E embora os produtos CBD possam evitar essa quantidade residual usando uma forma pura de CBD, a maioria dos fabricantes mistura outros compostos para maior potência.

De 2019 ao início de 2022, as autoridades de Hong Kong lançaram quase 120 “operações” apreendendo e testando produtos de cannabis de restaurantes e lojas a armazéns, disse o secretário de segurança Tang Ping-keung no ano passado. 

Ele acrescentou que mais de 3.800 produtos continham THC, embora não tenha dado mais detalhes sobre a proporção ou porcentagem de tetrahidrocanabinol nesses produtos.

Proteger a saúde pública?

Em uma resposta por escrito às questões levantadas no Conselho Legislativo, Tang sugeriu que a postura tradicionalmente dura do governo em relação ao THC deveria ser aplicada ao CBD “para proteger a saúde pública”.

“Adotamos a ‘tolerância zero’ em relação às drogas e entendemos que é uma questão de interesse público”, afirmou. “Portanto, o governo planeja controlar o CBD.”

O Comitê de Ação Contra Narcóticos, um grupo de representantes das “áreas de assistência social, educação, assistência médica e comunitária” que assessora o governo em políticas antidrogas, disse em um comunicado em novembro passado que apoiava a proibição da CBD e a decisão do governo objetivo de “uma Hong Kong livre de drogas”.

Negócios duramente atingidos

Muitas empresas começaram a se preparar para mudanças regulatórias no ano passado, antes que a proibição entrasse em vigor.

A Yardley Brothers Craft Brewery parou de fabricar suas bebidas CBD no final do ano passado, antecipando a proibição, e todos os seus produtos restantes foram vendidos em dezembro, disse Yardley.

A empresa disse que as bebidas à base de CBD eram “muito populares” e totalizavam cerca de 8% dos negócios, pois ofereciam aos adultos uma opção não alcoólica para desfrutar quando saíam com os amigos.

Em alguns bares, os frequentadores “vêm todo fim de semana para tomar um copo de limonada com CBD”, complementa. Agora “há menos opções para os consumidores em Hong Kong. Isso não é necessariamente um passo na direção certa”.

Fechando as portas

Algumas empresas foram forçadas a fechar completamente.

O Med Chef, um restaurante inaugurado em 2021, já se gabou de oferecer o “primeiro menu completo de coquetéis, aperitivos e entradas com infusão de CBD” de Hong Kong.

Em um comunicado de imprensa durante o lançamento, o fundador do restaurante enfatizou os benefícios de saúde e bem-estar do CBD.

Mas no início de novembro de 2022, ele havia fechado as portas. “Trabalhamos muito no passado para apresentar o CBD em sua forma mais aceitável e integrar nossos conceitos de alimentos e bebidas”, escreveu o restaurante em um post de despedida no Instagram.

“É uma pena que as coisas não tenham saído como esperávamos. Sob as últimas políticas daqueles que estão no poder, não podemos continuar avançando com todos”.

O primeiro café CBD de Hong Kong , Found, também ganhou as manchetes quando foi inaugurado em 2020.

Você também pode querer ler:Fracasso das políticas de combate à cannabis faz governo francês votar projeto para legalização da planta

Ele vendia uma variedade de produtos CBD, incluindo café e cervejas com infusão, óleos para ajudar a dormir, pó para polvilhar em alimentos e produtos para animais de estimação para ajudar a aliviar as articulações rígidas.

Ele fechou no final de setembro de 2022, dizendo aos clientes no Instagram que seu feedback positivo mostrou que “o CBD pode ajudar a lidar com o estresse da vida cotidiana”.

“Infelizmente, apesar do impacto positivo demonstrável, agora ficou claro que o governo de Hong Kong pretende adotar uma nova legislação para proibir a venda e a posse de CBD”, escreveu.

Medida extrema demais

Yardley disse que as preocupações do governo sobre o THC eram válidas – mas argumentou que eles poderiam ter implementado regulamentos melhores, como exigir certificações ou padrões de segurança em torno de amostras de CBD.

“É uma resposta bastante extrema apenas bani-lo totalmente”, disse ele.

E embora a cervejaria continue operando, com planos para bebidas não alcoólicas alternativas para preencher a lacuna, Yardley espera que o CBD volte ao cardápio. “Espero que no futuro isso se torne legal novamente”, disse ele.

Mercado de Cannabis

O mercado de produtos à base de cannabis é muito promissor, mesmo no Brasil. A Dr. Cannabis oferece um curso introdutório de 40 minutos para quem quer ter mais informações sobre esse setor e suas oportunidades. Custa menos de R$100. Inscreva-se aqui

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas