Proibicionismo: custo da guerra às drogas corresponde a R$50 bilhões por ano, diz Ipea

Proibicionismo: custo da guerra às drogas corresponde a R$50 bilhões por ano, diz Ipea

Sobre as colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) estima que os homicídios relacionados à proibição das drogas reduzem a expectativa de vida dos brasileiros em 4,2 meses

Proibicionismo: custo da guerra às drogas corresponde a R$50 bilhões por ano, diz Ipea
Foto: Reprodução

A proibição de certas drogas psicoativas seguida da repressão policial resultam anualmente em milhares de mortes por ações violentas no país.

Com base nesse fato, o estudo “Custo de bem-estar social dos homicídios relacionados ao proibicionismo das drogas no Brasil”, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), busca quantificar a magnitude desse problema considerando alguns indicadores econômicos e de saúde pública.

Tomando como referência o ano de 2017, a publicação estima que o custo de bem-estar dessa tragédia para o país, corresponde a cerca de R$ 50 bilhões anuais, ou 0,77% do Produto Interno Bruto (PIB).

Várias áreas afetadas

O estudo avalia ainda o custo de bem-estar anual dos homicídios atribuídos ao proibicionismo para o Rio de Janeiro e São Paulo que é de 1,14% e 0,15%, respectivamente, do PIB dessas localidades. Ao regionalizar esses dados, as perdas no Estado do Rio de Janeiro equivalem a mais do que o dobro das estimadas em São Paulo.

O texto argumenta que tais mortes representariam um custo intangível médio anual para cada cidadão fluminense de R$ 456,80, sendo de R$ 269,51 para o Brasil e de R$ 72,86 se levar em conta apenas os cidadãos paulistas.

De acordo com o pesquisador do Ipea e autor do estudo Daniel Ricardo de Castro Cerqueira, o modelo se baseia na ideia geral que a prevalência de homicídios afeta o consumo e a geração de renda não apenas das vítimas, mas de toda a sociedade, uma vez que essas vítimas indiretas terão suas chances de sobrevivência alteradas.

Para compor o estudo foram analisados o número de Homicídios Atribuídos ao Proibicionismo das Drogas (HAPD), com base em trabalhos anteriores e em informações da Secretaria de Segurança Pública e da Ouvidoria de Polícias do Estado de São Paulo.

Mortes violentas

Segundo os cálculos do estudo, do total de mortes violentas intencionais, a parcela de óbitos que estava associada ao proibicionismo das drogas nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e no Brasil eram de 46,0%, 27,7% e 34,3%, respectivamente.

Esses incidentes letais contribuíram para que a expectativa de vida ao nascer do brasileiro fosse reduzida em 4,2 meses.

Em valores de 2017, a perda de bem-estar econômico devido a mortalidade associada à violência nas dinâmicas que envolvem drogas ilícitas no Rio de Janeiro, São Paulo e Brasil foi de R$ 7,6 bilhões, R$ 3,3 bilhões e R$ 50,9 bilhões, respectivamente.

Tais valores equivaleriam a um imposto intangível que cada fluminense, paulista e brasileiro pagaria anualmente de R$ 457, R$ 73 e R$ 269,5.

Debate necessário

Para o pesquisador Daniel Ricardo de Castro Cerqueira, a sociedade, policy makers e academia devem passar a debater seriamente alternativas ao problema das drogas.

Um dos exemplos citados pelo estudo aponta os Estados Unidos, onde a violência é abandonada e substituída por ações mais inteligentes de natureza educacional, por políticas de redução de danos e por regulação e legalização dos mercados.

Sobre as nossas colunas

As colunas publicadas na Cannalize não traduzem necessariamente a opinião do portal. A publicação tem o propósito de estimular o debate sobre cannabis no Brasil e no mundo e de refletir sobre diversos pontos de vista sobre o tema.​

Tags:

Artigos relacionados

Relacionadas